Comportamento

Catnip – A erva dos gatos!

Em 2001, a Associação Americana de Médicos Veterinários emitiu uma recomendação de que tutores de gatos deveriam manter seus bichanos dentro de casa para evitar riscos do ambiente externo. Tais riscos envolvem chances de atropelamento, doenças parasitárias, pessoas que maltratam os animais (ainda mais no mês de agosto), brigas entre machos (importante castrar!), acidentes ambientais, etc. Contudo, dentro de casa, nossos animais tendem a ficar entediados e estressados e isso resultar em comportamentos agressivos ou indesejados (ex., problemas com a caixa de areia, arranhaduras, etc.).

Inclusive há na literatura estudos de demonstram a relação do ambiente com uma maior ou menor incidência de problemas renais, respiratórios, obesidade, etc.

A qualidade da vida de nossos gatos está relacionada ao ambiente em que vivem.

As principais estratégias adotadas para solucionar estes problemas, envolvem medidas de enriquecimento ambiental (físico, alimentar, sensorial, social, ocupacional, interação homem-animal). Por mais que muitos tutores sabem da importância em “gatificar” a casa para melhoria do bem-estar dos gatos, o enriquecimento sensorial/olfativo é geralmente negligenciado. O olfato dos gatos é muito desenvolvido e é importante que seja estimulado em ambientes internos.

Uma das opções mais conhecidas é o Catnip (Nepeta cataria), uma planta “parente” da hortelã. Algumas plantas com o objetivo de afastar animais herbívoros que possam causar danos liberam alomônios. Porém, em felinos (inclusive leões, onças e leopardos), tais elementos podem causar euforia. No caso do Catnip o componente químico responsável por estas alterações comportamentais é conhecido como Nepetalactona.

Os comportamentos observados são lamber, morder, esfregar o rosto, babar e chutar com os pés traseiros. Os efeitos duram de 5 a 15 minutos e geralmente, devido a habituação, somente tornam a funcionar após 30 minutos.

O Catnip não causa dependência nos gatos nem é prejudicial a saúde. Contudo, não são todos os gatos que respondem a esta estimulação sensorial. A estimativa é que um a cada três gatos e a maioria dos tigres não são sensíveis à planta. Algumas pessoas acreditam que o efeito no gato é semelhante aos ferormônios sexuais. Por mais que os efeitos da Nepetalactona são observados conforme a maturidade sexual (após 6 meses de idade), não há evidências que esteja relacionado a comportamentos sexuais. Para que o efeito ocorra, o Catnip deve ser seco, cortado e peneirado (ter a plantinha em um vaso pode não resultar em alterações comportamentais).

Curiosamente, seis compostos químicos semelhantes à Nepetalactona foram encontrados em uma flor branca de uma espécie de kiwi chamada Matatabi (em inglês ‘silver vine’) (Actinidia polygama). Esta planta é originária da China e foi importada ao ocidente pela Universidade de Harvard. Um dado interessante: dos gatos que não respondem ao Catnip, 75% respondem euforicamente ao Matatabi! Essa planta deve ser administrada em forma de pó de frutos secos ou galhos (os estudos demonstram que o efeito do Matatabi em galho é maior).

Para mais informações, clique aqui

Carlos Aznar

Psicólogo, especialista em Psicologia Clínica e mestre em Psicologia Forense pela Universidade Tuiuti do Paraná. Doutor em Psicologia pela PUCRS. Amante da música e curioso sobre comportamento felino.

Não pare por aí, você pode gostar de ler sobre ...